Review: Motorola Atrix (O Smartphone, não os acessórios)

Vou falar mais sobre isto no texto, mas antes de começar, gostaria de deixar claro se ainda não estiver: Se você sai de sua casa numa segunda-feira braba, a noite, com seu filho e sua mulher a tira-colo, cansado e num frio de congelar capeta. vai ao shopping, leva 3 horas para achar uma vaga no estacionamento, aluga carrinho de bebê, vai na loja de telefones, enfrenta os vendedores que querem te empurrar mil e uma “vantagens” no seu plano que já é caro, e deixa na loja uma boa parte do seu salário PARA COMPRAR UM SMARTPHONE COM CHIP GRÁFICO DA NVIDIA! POXA MOTOROLA! É PORQUE A GENTE QUER JOGAR JOGUINHOS NELE!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!111
ENTÃO FAÇA O FAVOR DE TIRAR O TRAZEIRO DA CADEIRA E IR ATRÁS DOS DESENVOLVEDORES PARA QUE ELES CONVERTAM SEUS TÍTULOS PARA O ATRIX!!!!!11 – AGORAAAAAAAAAAAAAAAAA!

=) Dito isto, podemos continuar: Uma das coisas mais chatas de se comprar um novo smartphone é ter que ficar revirando sites e blogs de informática em busca de informações decentes que lhe ajudem a decidir na hora de comprar filtrando é claro, todo o deslumbramento  ou decepção de quem brinca com brinquedo novo. Passo por esta situação desde sempre, e de certa forma estou habituado a ler o review “completo” de um aparelho para, minutos depois de compra-lo, descobrir que ele tinha um certo probleminha não citado nos textos que destruía completamente a sua usabilidade.

Eu percebi que havia uma armadilha com o Motorola Atrix. Em todos os blogs que eu já havia lido sobre ele, o autor deu tanta ênfase aos acessórios e a outros recursos dispensáveis, que tinha que haver alguma coisa errada, e tinha mesmo. E vou falar sobre tudo isto aqui em baixo.

Tentei fazer este review dando mais destaque ao Smartphone e deixando de lado os acessórios, porque simplesmente não vejo fundamento neles. É claro que ao ouvir falar do lapdock e da base multimídia pela primeira vez, fiquei encantado como todo mundo, mas sejamos sinceros, eles são inúteis, mal planejados e caros. Ninguém compra o Atrix pensando em trocar o seu atual net/notebook, a performance dele é pífia perante um aparelho dedicado. Já a base multimídia até tem seus encantos, mas quem já tem uma tv grande com entrada HDMI, com certeza já tem também um player decente para ocupar a entrada e não vai se preocupar em usar um player que engasga em vídeos 720p. Usar como computador é até interessante, só não achei mesmo a ocasião adequada.
Além disso, a Motorola não colocou uma saída USB para ligar a base ao computador (como no Milestone), assim, para carregar o Atrix a base tem sempre que estar ligada na tomada gastando energia, e para acessar os arquivos no celular pelo PC você precisa remove-lo da base e liga-lo no cabo USB #ULTRAMEGAMASTERPLUS-FAIL.

Felizmente eu tenho uma solução capenga para acessar os dados, e que compartilharei com vocês em breve.

— Uma caixa abarrotada de coisas —

Meu Atrix foi comprado na Vivo, e veio com uma pancada de coisas, incluindo a base multimídia, cabos, carregadores e fone de ouvido. Pra não dizer que fiquei satisfeito com a fartura, faltou mesmo um cartão SD (são apenas 10GB liberados na memória para o usuário) e uma capinha. Gosto da HTC por isto, sempre vem uma capinha decente nos telefones dela.

DSC06608
Atrix, em toda sua glória de acessórios!

A base é linda, bem discreta e firme assim como a do Milestone, mas os conectores são duros demais para inserir e remover o telefone, creio que não vai durar muito e vou acabar quebrando a bendita. A fonte que a acompanha parece uma fonte de notebook e o controle… bem … ele funciona.
É possível iniciar o Player de Música, controlar o som, ligar a tela, e navegar pela maior parte dos aplicativos. Mas é bem desajeitado.

Liguei meu teclado/mouse sem fio e funcionaram perfeitamente, embora o mouse fique meio caótico as vezes. A digitação seria bem melhor assim, mas infelizmente não tem suporte para acentos ou ç. Update: Como apontou um usuário por email, é possível acentuar ou usar outros caracteres segurando a tecla do teclado alguns segundos, exatamente como no celular. Mas isto não é prático.

Ao ligar um pendrive, um utilitário aparece na tela para que você possa acessar os arquivos utilizando o “Gerenciador de arquivos” que já vem instalado no Atrix, um ponto para a Motorola.

2011052911053320110529111354

Tentei também um HD externo mas não funcionou. A entrada USB não gera energia suficiente para ele.

E é só o que tenho a dizer sobre a base, nem testei o WebTop ainda, pois como disse, não vi nenhum cenário em minha vida onde isto seria necessário. Tá bom, eu testei. Mas achei tão ruim que nem vou me dar ao trabalho de comentar a respeito.

— Sai o Milestone e entra o Atrix, o que muda? —

Acho interessante fazer uma comparação entre os dois, pois creio que o Milestone é um dos smartphones com Android mais difundidos no mercado brasileiro, além de ter uma configuração bem comum. Assim, quem tem o desejo de pegar um Android melhor tem por onde comparar.

O Atrix tem o corpo mais fino e a tela mais larga do que o Milestone, o peso embora com pouca diferença (30g), na mão dá a sensação de ser bem mais leve.
Outra vantagem é que o Atrix não possui partes móveis como o Milestone e seu teclado, e por isto não apresenta aquela moleza na mão. Ao segura-lo ele fica firme. A largura da tela também ajuda.

DSC06612

A tela do Atrix é mais brilhante e mais nítida devido a resolução maior, mas ainda fica aquém de outros smartphones como os da Samsung com Super AMOLED e do iPhone com sua tela Retina.

DSC06614

Num primeiro momento, a telona do Atrix parece ser melhor aproveitada do que a do Milestone. No Launcher, alguns widgets trabalhados pela Motorola realmente são melhores no Atrix, mas no fundo no fundo eles acabam sucumbindo a limitação dos 4X4 como qualquer aparelho Android.  Quem quiser se ver livre desta limitação pode usar um outro launcher como o Launcher PRO que é o que eu uso. Não é perfeito, mas funciona bem.
O mesmo vale para os aplicativos, alguns aproveitam o espaço extra, como o telefone por exemplo, que usa uma área sobre o teclado para fazer uma busca instantânea dos contatos enquanto você digita, já a agenda funciona exatamente igual nos dois, ficando apenas maior no Atrix. Nesta resolução 960×540 alguns widgets do Honeycomb seriam muito bem vindos.

DSC06617DSC06619

DSC06620

Em termos de acabamento o Atrix é bem decepcionante, o Milestone apesar dos problemas com as partes douradas que descascam (o meu descascou o botão da câmera), passa uma sensação de robustez, com seu corpo todo em metal rígido e sua traseira emborrachada. Já o Atrix tem o corpo feito em um material plástico de aparência bem vagabunda, que se retorce com pouca pressão. Os detalhes imitando carbono na tampa da bateria só ajudam nas fotos, porque na mão chega a causar vergonha. Aliás, a forma de abrir e fechar a tampa é uma gambiarra digna de nota, basta dizer que se você não tiver unhas não vai conseguir abrir o aparelho para remover a bateria ou o cartão SD. Quero ver quanto tempo vai durar.
O vidro frontal, na parte esquerda do meu, está levemente levantada, como se não tivesse sido bem colado no aparelho. Passando o dedo pela borda inclusive é possível sentir que o vidro está para fora. E isto para um Smartphone que custa o olho e o rim direitos é um absurdo.

DSC06764DSC06765

Outro problema do Atrix é o autofalante. Apesar de ser bem límpido, ele é muito, muito baixo. Para piorar o som do autofalante fica extremamente prejudicado pela posição das mãos na horizontal (durante os jogos por exemplo). Ele fica completamente tampado e não há forma de você contornar este problema. A Motorola parece ter planejado a capa plástica da bateria para ajudar o som a se dispersar, na verdade parece que toda a traseira do telefone é um auto-falante, mas com o aparelho firme nas mãos este efeito se perde, ficando restrito a quando ele está na base.

Uma coisa bem legal é que o Atrix possui em suas configurações ajustes simples do áudio, tanto para o auto-falante como para os fones de ouvido. Basta ir em configurações > Som > Efeito de áudio e mídia. Dá para escolher entre balanceado, destaque para graves ou agudos entre outros.
Realmente faltou um auto-falante decente para aproveitar melhor os efeitos.

No geral, o acabamento do Atrix é ruim, e piora se comparado ao seu irmão Milestone que teve um daqueles momentos brilhantes de designe da Motorola.

DSC06625
Acabamento, tampa da bateria e auto-falante. Redução de qualidade no Atrix

— O Software —

Todos os meus Smartphones foram vendidos ou morreram com uma ROM customizada, ou pelo menos com uma ROM diferente da que foi disponibilizada pelo revendedor brasileiro. E as vantagens de ROMs customizadas são muitas, incluindo melhor performance, mais recursos, menos crapware e principalmente, as ROMs customizadas sempre trazem versões mais recentes do sistema operacional que os fabricantes não disponibilizaram por preguiça ou estratégia.
Com o Atrix não poderia ser diferente, e quando comprei o aparelho já estava em meu HD uma ROM mais nova para ele.

No entanto tive uma grata surpresa ao usar o aparelho, o Android 2.2.2 que acompanha o Atrix é muito bem acabado, rápido e com serviços relevantes integrados. Claro, o crapware está lá, o MotoBlur também, mas devo confessar que não tive nenhum problema com eles.
O Motoblur está muito mais discreto, agindo praticamente como um substituto para o aplicativo “Contas” do Android. Você pode configurar apenas sua conta do GMAIL nele e pronto, ele não vai mais te perturbar. Se quiser twitter, facebook, etc… tem aplicativos próprios no Market e que não precisam estar necessariamente atrelados ao Blur.
Sendo assim não vejo nenhum motivo para a choradeira da galera com relação ao Blur “no Atrix”. Você pode inclusive saltar a configuração apertando “Menu” na tela onde você insere sua conta do Blur e mandar saltar a configuração. O telefone vai funcionar perfeitamente.

20110529114921
MotoBlur, mais discreto no Atrix

Além dos aplicativos e configurações padrão do Android, o Atrix ainda recebeu da Motorola um gerenciador de bateria (também presente no Milestone e outros modelos) e um gerenciador de dados que possui diversas opções interessantes. Você pode por exemplo programar que o telefone só atualize suas redes sociais ou downloads no Market quando estiver em uma rede sem fio. Se tentar por exemplo baixar um app no Market usando a rede 3G, ele vai colocar o download em pausa e só baixará o app quando uma rede wifi estiver conectada. Muito útil para quem tem planos de dados limitados.

O Crapware veio bem diversificado, mas até tem coisas legais como por exemplo o jogo Need For Speed Shift completo (#WIN), e o QuickOffice PRO (#WIN). No entanto não deixam de estar presentes os aplicativos/atalhos da operadora (#FAIL), Qik Video (#FAIL) entre outros.

20110529120439Jogo top de graça? Epic Win /

O próprio Android 2.2 é uma versão bem decente, e de seu irmão mais o novo (o 2.3) ele perde apenas na correção de alguns bugs e no visual mais refinado. O restante dos recursos são bem mais discretos do que foi por exemplo no caso do 2.1 > 2.2.

Quando você abre um gerenciador de memória como o Advanced Task Killer pela primeira vez no Atrix, você se assusta com a quantidade de coisas rodando em background. É muito lixo!
Da gigantesca memória RAM de 1GB só ficam livres cerca de 400/500MB. Bem, é melhor do que os 40/50MB do Milestone, mas ainda assim é muita coisa rodando em background.
Sempre que posso abro o ATK e mando tudo para o limbo, mesmo que não estejam me incomodando e isto se torna um vício tão delicioso quanto estourar bolhas plásticas.
No Froyo do Atrix, o botão voltar não fecha completamente os apps. Apenas vai mandando para background, e se você abre o gerenciador de tarefas ele vai estar lá olhando para você. Preciso praticar meu mantra:
– O Atrix tem 1GB de memória e não 256MB como o Milestone. Deixe os apps rodando e vá viver sua vida! (25X)

DSC06630
Não se enganem, no Milestone eu já tinha matado alguns processos

Embora não faça parte do sistema em si, o maior diferencial do Android 2.2 para outras versões e até mesmo de outros sistemas como o IOS é o Flash player. E ele funciona muito bem aqui. Depois da última atualização para 10.3, o player de vídeo ficou muito melhor, e no Youtube toca vídeos até 480p em fullscreen. Acima disto engasga.
Falta ao Flash Player algum tipo de função que permitisse a navegação em sites feitos todos em flash. Um mouse virtual por exemplo ou mesmo barras ou navegação por gestos, etc… A performance está chegando lá, mas a usabilidade ainda é capenga.

20110529115255Haley sua linda! Você fica muito mais linda no Flash Player 10.3

No fim das contas, me vi usando a ROM original sem nem pensar em atualizar por mais de quatro dias. Acho que é um recorde pessoal.
Mas a ROM que eu tinha baixado antes, prometia coisas bem legais como por exemplo mais rapidez, menos lixo, melhor sensibilidade do leitor de digitais, diversas correções de bugs e conexão melhor. Acabei então fazendo a atualização e infelizmente me arrependi.

Apesar de entregar tudo que promete, a ROM alternativa me trouxe uma série de problemas que não estavam listados no tópico do XDA, e acabei passando aperto. Por exemplo o radio do celular ficou maluco, só funcionava em HSUPA e caia toda hora e custei a arrumar. Mas vou falar sobre isto uma outra hora. Por enquanto recomendo que não façam upgrade de sua ROM no Atrix, até porque não existe o SBF original dele para restaurar em caso de arrependimento.

— Smartphone pra que mesmo? —

O Atrix foi feito para jogar, fato. O Chip gráfico e a quantidade absurda de RAM comprovam isto, e não existe nenhum smartphone com Android que se equipare a ele em termos de jogatina exceto talvez o Xperia Play com seu controle de Playstation onboard (já sinto falta do meu Milestone com Game Gripper, que está a venda aliás; o Game Gripper, não o Milestone que foi doado para minha sogra).
Ver gráficos lindos como os de Riptide GP, Need Shift ou Dungeon Defenders na telona de 4” brilhante e nítida, é uma experiência muito gratificante.

O problema meus caros, é que a maior fabricante de games 3D para o Android, a Gameloft, ainda não disponibilizou seus títulos mais recentes para o aparelho. E nem adianta baixar as versões para outros modelos pois não funcionam. Ou seja, se antes eu não podia jogar os jogos no Milestone por ser aparelho de menos, agora não posso jogar no Atrix por ser aparelho demais….boo!

A Motorola deveria ter feito uma pressão para que estes jogos fossem disponibilizados logo (nem deve ser difícil a conversão) ou corre o risco de deixar um elefante branco nas mãos dos clientes. A falta dos jogos da Gameloft é uma das maiores reclamações que encontrei pelos fóruns ai da vida. Existem sim, muito outros jogos bons, mas a maior parte deles não aproveita a alta resolução nem o processador dual core.

Para compensar, o dono do Atrix pode baixar no Market o app Tegra Zone, que agrega os jogos feitos para a plataforma da NVIDIA num único local, mas o aplicativo além de conter menos de dez jogos está desatualizado, pois jogos que já foram lançados ainda não constam lá.
Fala sério, dez jogos? Me sinto com um Xoom nas mãos. Me desculpe mas no caso de jogos a quantidade é tão ou mais importante que a qualidade, o Nintendo 64 que o diga.

— A Bateria —

Posso dizer que estou no céu! Em nenhum dia cheguei em casa com menos de 50% de bateria. Mesmo rodando de tudo, jogos, internet, GPS e tendo o VOIP sempre ligado.
É uma evolução e tanto. A bateria de 1930mAh dá conta do recado, e recebe um auxílio muito bem vindo dos apps que forem otimizados para o Tegra da NVidia pois eles consomem muito menos. Já joguei alguns destes jogos por mais de uma hora tendo gastado menos de 20% da bateria.
Nas configurações você pode ativar alguns recursos para economizar mais, mas no meu caso não achei necessário. Deixo a bateria com máxima performance sempre.

— A Câmera —

Eu nunca pego um celular esperando que ele tenha uma câmera excelente. Num primeiro momento a câmera do Atrix até impressiona, mas tudo por causa da tela. Quando você salva no PC ou imprime as fotos percebe que elas são muito pixeladas, e a coloração puxa de forma bem incômoda para o vermelho.
Em alguns momentos parece que estamos vendo algumas fitas VHS gravadas em NTSC. O gozado é que consigo corrigir utilizando programas de imagens mais comuns, o que indica problema no software e não na câmera em si. No entanto, mesmo depois de algumas atualizações do sistema a Motorola não se deu ao trabalho de verificar isto.
Abaixo um exemplo. Apesar de não ficar muito feio o efeito avermelhado nesta foto específica, há algumas onde o vermelhão toma conta.

2011-05-18_16-33-53_3022011-05-18_16-33-53_302-12

Já o vídeo por incrível que pareça funciona muito bem, gravando em 720p (ou 1080p com hack) e tendo uma boa iluminação, dá pra fazer filminhos inesquecíveis do seu bebê para a posteridade. Gostei.

— Radio —

Não, não é radio FM. É o radio do celular. Ou seja o sinal do aparelho. E aqui um problema grave. Depois de usar o Atrix por alguns dias cheguei a conclusão de que Steve Jobs tinha razão ao falar que todos os aparelhos sofrem do antena-gate. Este aliás foi um dos motivos de eu ter animado em atualizar a ROM mas só fez piorar. Agora está melhor, mas mesmo assim, dependendo de como você segura o aparelho, o sinal simplesmente some, chegando ao ponto de entrar em modo de emergência em alguns momentos. Eu sei que a Vivo não é um primor de estabilidade, mas no Milestone e no Treo PRO não vi estes problemas.

— #WIN VS #FAIL —

TELA: Linda, gigante, brilhante, espaçosa, confortável. Adorei a tela mesmo sabendo que há outras melhores no mercado. #WIN!

TEGRA 2: Seu sonho de consumo realizado. Games de classe na palma de sua mão e na tela do seu celular. Emuladores que não engasgam e seu Android rodando rápido como se não houvesse o amanhã (na verdade não há). #EPIC WIN!

MEMÓRIA: 1GB! 1GB! Nem eu nem o Android sabemos o que fazer com isto tudo. Veremos daqui a um ano. #WIN!

ANDROID 2.2 e CRAPWARES: É difícil de acreditar, mas a Motorola entregou um Android bem funcional, com recursos bacanas e exclusivos. Deu uma garibada no Blur para ele não ficar te enchendo e ainda por cima colocou crapwares relevantes. #WIN!

ACESSÓRIOS: São lindos, mas mal planejados e caros. #WIN #FAIL

PREÇO: O Atrix é um bom Smartphone? Sim, com certeza. Mas não vale o que cobram por ele. Consegui compra-lo por um preço muito abaixo do anunciado usando o próprio sistema das operadoras contra elas (mas não vou revelar aqui como é, sorry). Se não fosse assim não teria comprado. #FAIL

APLICATIVOS OTIMIZADOS: O Atrix é potente como anuncia sua propaganda (o mais potente do mundo), mas fica nisto. Faltam apps otimizados para ele, e a maior produtora de jogos em 3D para Android, ainda não se moveu para lançar jogos que usem o Tegra 2 nem a tela qHD. Muito músculo e pouco cérebro. Parece ser o mal desta geração. #MASTER FAIL

ACABAMENTO: Ele também tem problemas de acabamento e estabilidade do sinal. #FAIL

CÂMERA: A câmera é fraca e puxa para o vermelho em condições desfavoráveis de luz. #FAIL

BOOTLOADER: O Bootloader travado como é de costume da Motorola dificulta as atualizações da comunidade. #FAIL#FAIL#FAIL

Então é isto! Desculpem a demora, espero que gostem. Se quiserem saber mais alguma coisa perguntem nos comentários.

5 respostas para Review: Motorola Atrix (O Smartphone, não os acessórios)

  1. Leandro... disse:

    Compartilho da mesma opinião do redator.
    o Motoblur deixou de ser muito grotesca mas continua a atormentar..
    O auto-falante de péssima qualidade ficou mto mal posicionado
    A câmera como sempre….sem mais…
    O leitor biométrico falha na maioria das vezes.
    O meu celular tem dado boot sózinho em alguns momentos como agora pouco ao usar o Tango com um primo no Japão..
    Custo X benefício pouco atraente…Porém no meu caso, como o do redator, tive um bonus de R$1100,00 em uma nota fiscal de R$ 1340,00.. Obs: Plano de 60 min onde onde pago R$ 55,00 e agora com mais 12 parcelas adicionais de R$ 19,00….hahah estou rindo a TOA com este final feliz.

    • TonyWalker disse:

      No geral, não estou conseguindo usar nenhum programa de Voip no Atrix.
      A maioria trava, e os que não travam tem problemas para enviar ou receberr o áudio.
      Tenho a impressão que é relacionado àquelas modificação no áudio que a Motorola introduziu.
      “Se” ficar mais animado este fim de semana vou testar alguma ROM como a GingerBlur e ver se funciona melhor.

      Obrigado por comentar.

  2. christian disse:

    poxa queria saber aonde e se e por saite o melhor e mas comfial para a compra do acessorio lap dock me diga como vc comsegui por a vivo asssim como eu fui la para compra nao tinha avenda esse acessorio

  3. Anderson Monteiro disse:

    Parabéns pelo review. O meu está com o lcd quebrado mas fiquei tão feliz ao saber sobre ele que me deu até vontade de consertar.

%d blogueiros gostam disto: