Undercover Boss: Lobo em pele de cordeiro

Tenho acompanhado nas últimas semanas um interessante seriado americano chamado Undercover Boss.
A premissa é simples embora genial. A cada semana o dono ou presidente de uma grande companhia americana, desce do alto de sua vassoura e se disfarça de empregado em sua própria empresa, tendo assim a oportunidade de descobrir e tentar resolver problemas que somente podem ser percebidos por quem está ali com a mão na massa, mas que foram causados por decisões dele e de seus conselheiros no ato de suas administrações.

O programa faz uma crítica (rasa geralmente) sobre como os presidentes das empresas estão afastados da realidade de seus empregados, tomando decisões onde o único objetivo é a contensão de custos para o aumento do lucro. Sem levar em conta os efeitos colaterais que irão repercutir de forma muitas vezes desumana na vida das pessoas que carregam a empresa nas costas.

Não espere ver ali um Bill Gates ou Steve Jobs, pois além do fato de que eles seriam reconhecidos imediatamente ainda que vestidos de Hello Kitty, é sabido que trabalhar para ambas as empresas é garantia de conforto e felicidade eternos (estou aceitando propostas de emprego, embora isto não tenha interferido na frase ao lado). O programa se limita a companhias grandes e conhecidas cujos donos porém, levam uma vida mais privada.

Assim no primeiro programa, fomos apresentados a uma empresa de reciclagem de lixo, onde o presidente desceu até o posto mais baixo da escala de trabalho (segundo famoso jornalista brasileiro) para vivenciar na pele como funciona de fato a base da pirâmide que forma sua empresa.

O cara presenciou coisas absurdas, como a mulher que urinava em uma latinha de leite, pois o trabalho havia sido pensado originalmente para ser feito por homens, ou o grupo que tinha poucos minutos para almoçar de forma a aumentar a produção. Ele também encontrou uma funcionária que acumulava várias funções e mesmo assim não recebia o suficiente para pagar sua casa própria e estava em vias de perde-la.

O programa foi ótimo, e no fim os empregados são levados a presença do Boss, agora vestido a rigor, e ficam sabendo quem ele é de verdade, recebendo então um prêmio ou uma bronca de acordo com o que foi mostrado no programa.

Os três primeiros episódios foram ótimos, uma série de problemas comuns como jornadas de trabalho e conduta de funcionários foi discutido e muita coisa pode inclusive ser aproveitada por outros presidentes, mas os três programas seguintes foram decepcionantes. Ao invés de continuarem a focar nos problemas das empresas e dos empregados, o programa optou por contar historinhas tristes e virou tudo um dramalhão. Toda hora o programa leva o chefão para tomar café com o funcionário selecionado e ali ele conta a historinha triste de sua vida para emocionar os telespectadores, e sinceramente não fica natural.

O showzinho no final do programa, quando o chefe revela aos funcionários num telão que esteve disfarçado trabalhando ao lado deles, também é super-brega e deveria ser cortado.

Ainda assim continuo fã, e espero que daqui para frente eles efetivamente melhorem o formato, introduzindo aquilo que as pessoas realmente querem ver, ou seja, o confronto dos chefes com as decisões que eles mesmos tomaram no decorrer de suas administrações.

Undercover Boss não é exibido no Brasil ainda, mas pode ser visto com a ajuda de Jack Torrente e seu site maravilhoso.

Anúncios

Os comentários estão desativados.

%d blogueiros gostam disto: