Marcha a ré na moto

Nota: Este texto não faz mais sentido já que comprei outra moto, mas como já estava escrito vou publicar assim mesmo.

É engraçado constatar que, fora as motos gigantes como a GoldWing, a maioria esmagadora das motos não possui marcha a ré pois, dada a natureza e o tamanho deste veículo a manobra é bastante dispensável. Mesmo quando se quer voltar no caminho percorrido, na moto é mais fácil virar para seguir em frente.

Tão raro quanto ver alguém dar a ré numa moto é ver um motociclista trocar sua moto seja ela qual for por um modelo de menor cilindrada ou potência. Ou mesmo um modelo com diversos recursos por outro mais espartano. Ou ainda um modelo de uma categoria pelo de outra embora neste caso seja menos raro pois alguém que more numa cidade grande pode se mudar para o interior e assim ter diferentes necessidades para o uso da moto e vice-versa. Ou até mesmo passar a gostar de uma outra categoria após experimenta-la como foi o meu caso.

Então só agora depois de concluído o negócio que me dei conta de como deve ser rara a atitude que tomei, trocando minha moto de 150cc ano 2008 por uma mais antiga, 2004 e de menor potência (125cc).

Dos modelos de moto que já pilotei ou tive, a primeira foi uma POP 100 (pausa para você rir). É como aquela menina feia da escola que os garotos beijam para perder logo a boca virgem.
Antes dela eu simplesmente nunca tinha pensado no assunto, fora a época em que eu assistia “Moto Laser” na Sessão Aventura nas tardes da Globo e  me imaginava fazendo aquelas acrobacias.
Mas a necessidade de um modo de deslocamento mais eficiente no trânsito caótico de BH e uma boa propaganda na televisão me fizeram chegar a conclusão de que uma moto era necessária na minha vida e como a POP tem uma cara inofensiva acabou matando qualquer traço de receio que eu tivesse e ganhou um lugar na minha garagem.

Com a Popilete POP 100 vivi feliz por um ano, sem nenhum grande incidente. Só cai uma vez, ainda na primeira semana com a moto, um FDP numa caminhonete me fechou numa curva em aclive e eu nervoso com a minha esposa na garupa empinei a moto e nós dois caímos (a POP é muito leve na frente principalmente com garupa). Foi lindo! Em frente ao Shopping Del Rey. Levantamos rapidamente e fomos embora. Nem um arranhão graças a deus (na moto) e por sorte nós também não nos machucamos nada.
A POP é uma moto pequena mas atrevida, se desloca bem no trânsito da cidade e embora não seja o modelo adequado já andei com ela até em alguns pequenos trechos das BRs 040 e 382 e ela não fez feio.

Outra moto que pilotei bastante foi a YBR 125, tirei a carteira de habilitação em uma fiquei bem íntimo deste modelo, inclusive fui conhecer a família dela e tal… mas divago. Por coincidência um vizinho meu pegou uma YBR num negócio e como nem ele nem seus três filhos sabiam pilotar, fiquei com a moto sob minha responsabilidade por uns tempos até que ele a vendesse. Um ótimo modelo, muito estável embora pequena pra mim. A POP é menor mas como o tanque fica embaixo do banco as pernas ficam livres dando mais conforto. Com a YBR também não tive nenhum problema fora o horror que tomei de moto com partida elétrica e sem pedal, mas isto é assunto para outra hora.

Por fim, depois de eu e minha esposa engordarmos eu engordar uns quilos a POP se tornou um tormento, pois não conseguia mais transportar nós dois com elegância. Assim, resolvemos comprar uma moto maior, e a escolha foi a Speed 150. O preço convidativo, os itens de série e o porte da moto me convenceram no momento que entrei na loja.
Li na internet as opiniões a respeito, a maior parte dos compradores estava satisfeita então comprei. Nota: Nunca confiar em opiniões de usuários que possuem veículos a menos de 90 dias.

Os problemas que tive foram muitos. Vazamentos, freios mal regulados, pintura porca e sistema elétrico que queima as lâmpadas pelo menos uma vez por mês, somados a falta de peças e o mal atendimento nas concessionárias acabou por me deixar completamente decepcionado com a moto. Embora seja montada com uns 95% de peças chinesas foi justamente na parte brasileira da moto que ocorreram os problemas, ou seja na montagem e na ativação.

A impressão que eu tenho, e o que eu sempre digo a quem me pergunta é que era para ser uma boa moto, mas o descaso da montadora na hora de entrega-la ao consumidor final acabaram por mandar tudo por água abaixo.
Tanto é verdade que somente depois de vencida a garantia consegui resolver os problemas mais chatos.  A roda da frente da moto que vivia agarrando por problemas no freio a disco eu mesmo desmontei, lubrifiquei e deixei redondinho.
O painel que havia se destruído num dos tombos eu troquei por um novo e nunca mais queimou uma única lâmpada. E demais pequenos ajustes que fui fazendo até deixar a moto azeitada.

O atual dono está satisfeito e espero que seja feliz por muitos anos com ela, embora seja um motoboy e motos em mãos de motoboy não durem anos…mas divago de novo.

Ao tentar me livrar da Speed, minha intenção era comprar uma Twister usada, mas graças a Deus meu cunhado comprou uma e pude andar nela, constatando que jamais ficaria satisfeito. Não entendo como ele consegue encaixar a barriga protuberante na moto mas para mim simplesmente não dá, fiquei todo encolhido nela e junto com o peso da minha mochila que deve ter uns 8 quilos ia me dar a maior dor no corpo.

Por fim cheguei na Bros, conforme contei num dos posts abaixo e apaixonei com o modelo. Alta e leve combinando com minha silhueta alta e magra (pra não citar também super-sensual). Motor suficiente para enfrentar o trânsito de Belo Horizonte além do lado meio off-road pra dar olé nos buracos, nas chuvas torrenciais e nas ruas calçadas de cascalho (morra quem inventou isto) e claro a economia, pois pular de 23km/l da Speed para 35km/l da Bros hô meu pai, dá uma boa diferença danada no fim do mês.
Mesmo o modelo de 125CC que tinha sido minha primeira escolha representou ao invés de andar para trás um belo pulo pra frente.

Atípico? Sim, mas bem acertado para mim.

2 respostas para Marcha a ré na moto

  1. oliverio disse:

    ola pessoal eu consegui inventar marcha ré em uma cg kkkkk quer mais funciona muito bém e ficou com as cinco marchas originais kkkkk valew pessoal um abraço

%d blogueiros gostam disto: